Tormenta – Joca Martins


4ª Ramada da Canção Nativa – Encruzilhada do Sul – RS – 1994.
Composição que premiou como Melhor Instrumentista o violonista Marcello Caminha.

TORMENTA

Letra: Severino Moreira
Música: Zulmar Benitez
Intérprete: Joca Martins

“Um Fenômeno Natural”

Se tisnam tons de fumaça
De contra o fio do horizonte
E o vento trás num reponte
Gavionas de cola alçada
Lobunas entropilhadas
Redemoneadas na poeira
Rompendo pelas porteiras
Que nem tropa estourada.

A pampa se empardece
Prenúncio de temporal
E uma tropilha bagual
Alinha a cola pra chuva.
O céu manto de viúva
Se desbota no aguaceiro
Quando um raio matreiro
Afocinha na timbaúva.

Trovoadas que se repetem
Como touro em desafio
E o vento faz corrupio
Na crista dos arvoredos
A lua talvez com medo
Nem dá sinal de vida
E a tarde estremecida
Já se recolhe mais cedo.

Um raio na cola do outro
Se reflete no açude
Rasgando a negritude
Dessa tarde azarenta
Lembro o taura que aguenta
N’alguma ronda de tropa
Onde até a alma se ensopa
Na fúria de uma tormenta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s