Me Chamo Verso e Confesso – Flavio Hanssen


30ª Moenda da Canção – Santo Anônio da Patrulha – RS – 2016.

ME CHAMO VERSO E CONFESSO

Letra: Mateus Neves da Fontoura
Música: Andrigo Xavier
Intérprete: Flávio Hanssen

Me chamo verso e confesso
Perdi-me em muitos rincões
Ando na boca e nos sonhos
Que acendem lua e fogões
Vivo em estrada e galpões
Conheço o campo e a cidade
Se me despeço, a saudade
Remalha em mil corações…

Por rumo trago a esperança
Apresilhada na voz;
Sou campo largo e enchente
Sou rio distante da foz…
Sou a alma dos avós
E seiva que não se esvai,
Pois guardo a calma de um pai
Que cuida antes… e após!

Se alguma folha em branco
Acolhe o meu destino
Renasço em rima e flor
No fio de um desatino…
Sei que a querência que eu procuro
Vai além da sesmaria…
Eu sou o verso e confesso:
Não vivo sem poesia!

Empresto corpo à alma
Sangrando pena e dor
E ainda sou o espelho
Pra refletir o amor
Porque as mãos que me partejam
Vêm da alma que me aquieta…
Eu sou o verso e confesso:
– Tenho a tua vida poeta!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s