Vozes das Invernadas – Marcio Nunes Corrêa e Fabiano Bacchieri


16ª Reculuta da Canção Crioula – Guaíba – RS – 2001.*

VOZES DAS INVERNADAS

Letra: Marcio Nunes Corrêa
Música: Fabiano Bacchieri
Recitado: Fabrício Vasconcellos
Interprtação: Marcio Nunes Corrêa e Fabiano Bacchieri

Vem do posto da pitangueira dois campeiros de à cavalo….
Um num mouro tapado da cabeça encarneirada
numa marcha troteada de parar água no toso.
O outro é uma curunilha num baio ovo-de pato
tal um retrato do pago sobre a moldura do estribo!…

O vento faz redemoinho de franjas nas cabeçadas
pelas orelhas trocadas vai a tenência dos pingos.
A cachorrada ovelheira campeia a volta do gado
que estende encordoado, tranqueando manso e se indo…

Quando um touro fumaço ganhando o campo do fundo
entoa um berro pra o mundo, que é o seu canto de guerreiro,
com ponteios naturais e acordes de picardia
que tem poesia e retovo por simples e verdadeiro.

Gritos de: pega cachorro, quando nos toca a bolada
é o hino destas canhadas, é um verso do pastoreio,
que não ficará esquecido na goela de um sulino
enquanto existir malino refugador de rodeio.

Um contracanto imediato dos ovelheiros acoando
como que reclamando da cria que sai do ninho,
– Sonoridade rural parida num descampado
pra aconselhar touro alçado cantando junto ao focinho.

São vozes nas invernadas, cachorro, touro e campeiros
mas são os pingos parceiros, que mostram alma e essência,
pondo inquietude no andar, pedindo freio, escarçeando
como quem canta sonhando numa ronda da querência!…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s