Regalo a Um Trançador – Jairo Lambari Fernandes


25º Reponte da Canção – São Lourenço do Sul – RS – 2009.

REGALO A UM TRANÇADOR

Letra: Heleno Cardeal
Música: Lanes Cardeal
Intérprete: Jairo Lambari Fernandes

Desquinando um tento baio,
O minuano assobiando…
Ouvi um “buenas, parceiro!”
Estranhei que alguém chegasse
Sem que o cachorro anunciasse,
Se apeou e foi entrando.

Os ombros meio curvados
De quem a vida domara…
E que nunca mais trançara.
Mãos domadas pela vida,
Apertei com força os calos,
Juntas grossas doloridas.

Só vim pra tomar um mate
E fazer uma encomenda:
– Quanto vale um aparelho
Pra cabeça da gateada?
Sem argolas, sem floreios,
Que caiba nos meus trocados…

O preço é da minha alçada,
Entrego no fim do inverno.
Um trançador já no cerno
Que o tempo vinha judiando…
Sorveu o mate do estribo
E se mandou “a la cria”.

Pelei um couro brasino,
Flor cor-de-cedro queimado,
Que realçasse o prateado
Nas argolas mais bonitas.
Bombas em ouro bordadas
Por espanholas malditas…

Nas tiras das nazarenas
Lonca fina trabalhada,
A cabeçada de doze,
Oito o cabresto e buçal.
Que embuçalasse um bagual,
Não uma égua cansada.

As rédeas de trança chata
Pra diferenciar do laço,
Nas palmas cravada a marca,
Já sem cabo enferrujada…
Um dia a velha gateada
Se queimou naquela marca…

Com os olhos marejados,
Vaidoso, entreguei a obra!
Tinha mais dele na trança
Do que nas minhas andanças…
Me ensinara aquela arte,
De trançador não se cobra!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s