Entre a Chuva e a Distância – Joca Martins


6ª Sapecada da Canção Nativa – Lages – SC – 1998.

ENTRE A CHUVA E A DISTÂNCIA

Letra: João Fontoura
Música: Marcio Rosado
Intérprete: Joca Martins

Já fazem quase dois meses
Que eu não saio da estância,
Talvez, por isso, essa ânsia
De rever a minha amada
E esta chuva guasqueada
Vem despertar minhas lembranças.

Me bate a nostalgia,
A noite fica mais fria,
Me invade a solidão…
Sinto a falta dos teus braços
Aguentando os tironaços
Do pulsar do coração.

Por isso, quando
Chove aqui na estância,
A água molha a distância
E a mágoa molha o meu rosto;
E, quando, longe daquela flor…
Até o vento pajador
Compõe rimas de desgosto.

O mate já está lavado,
A chuva é gelo nos campos,
Dos galos não ouço cantos…
São mais frias as madrugadas
Distante da prenda amada
Rainha dos meus encantos.

E, assim, fico a pensar…
Se algum dia eu me casar
Com aquela linda flor,
Quero lhe dar meu carinho
E fazer do meu ranchinho
O nosso ninho de amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s