Voltando os Olhos pra Chuva – Rui Carlos Ávila


1º Bicuíra da Canção Nativa – Rio Grande – RS – 2005.
Composição que recebeu os prêmios de Segundo Lugar, Melhor Melodia e Melhor Intérprete para o cantor Rui Carlos Ávila.

VOLTANDO OS OLHOS PRA CHUVA

Letra: Eduardo Muñoz e Vinícius Russo
Música: Rui Carlos Ávila e Fabiano Bacchieri
Intérprete: Rui Carlos Ávila

Meu mouro apura o trote
Num aguaceiro machaço,
Tendo a franja por sombreiro
E o olhar em cada casco;
Pois muito pouco se vê
Depois que o mundo desaba
Mas o “Maidana” de guerra
Sustenta o peso na aba!

Tão logo adentro o galpão
Pro corpo cambear de posto,
Tiro ‘os arreio’ do pingo,
Encilho o mate a meu gosto,
Deixo por conta do tempo
Lavar o lombo do mouro
E busco entender porquê
A chuva fez paradouro.

Se a chuva desce do céu
E no sol quente regressa,
Quem se arrisca a dizer
Onde é que a chuva começa?
Eu não sei onde ela nasce,
Mas pelo verde dos campos
Até parece água benta
Benzendo este pago santo.

O poncho negro descansa,
Alheio ao mundo lá fora,
Aberto como quem voa,
Chovendo feito quem chora;
Enquanto a chuva ressoa
Junto à quincha do galpão
Contraponteando os acordes
Que acordam o meu violão.

A chuva que cai no sul
Convida o pago a matear,
Dá esperança a quem planta
E mata a sede do olhar;
Por isso indago se a chuva,
Que terra adentro se arrima,
Será o mate dos campos
Cevados com a mão divinas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s