Uma Prece Às Garoas – Pirisca Grecco


1º Canto Sem Fronteira – Bagé – RS – 2003.

UMA PRECE ÀS GAROAS

Letra: Sérgio Sodré
Música: Ezequiel Rosa
Intérprete: Pirisca Grecco

Na sombra do mato seco
Desencilho o estradeiro
Fecho e acendo um palheiro
Sentindo perto o mormaço
Do vapor que sai do pasto
Judiado pelos janeiros
Nestes limites fronteiros
Onde o verde ficou escasso

Contemplo o luto do açude
Nas rachaduras do barro
Um poço raso enlameado
Onde a vida se findou
O gado já se apartou
Campeando outras aguadas
Nem a sanga canta as mágoas
Porque a vertente secou

Os dias passam sem pressa
Nesse intenso verão
E tudo que molha o chão
É o suor que vem da gente
Que arando a terra nem sente
Que o tempo anda salgado
E todo o campo plantado
É um funeral de sementes

Vez em quando alguma planta
Parece que ressuscita
E entoa uma prece “solita”
Erguendo os braços ao léu
Pra “rebentar” o sovéu
Que o mormaço encordoa
E libertar as garoas
Pra se bandearem do céu

Atiro as garras no flete
E sigo com o céu no rosto
Contemplando com desgosto
O sol entonado em brasa
E numa esperança rasa
Rezo olhando o horizonte
Pra que a garoa me encontre
Antes que eu chegue nas “casa”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s