Uma Milonga das Buenas – César Oliveira


9ª Tafona da Canção Nativa – Osório – RS – 1997.
Composição que foi premiada pelo Melhor Conjunto Instrumental.

UMA MILONGA DAS BUENAS

Letra: Rogério Villagran
Música: César Oliveira
Intérprete: César Oliveira

Uma milonga das buenas
Sempre fala da fronteira
Em cavalhada matreira
E choro de nazarenas
Uma milonga das buenas
Me faz lembrar uma volteada
Que um zaino venta rasgada
Por velhaco e sem costeio
Quase me atorou no meio
o estouro de uma “bolcada”

Uma milonga das buenas
Revira o mundo num pealo
E quando eu monto a cavalo
O Rio Grande se “apequena”
Uma milonga das buenas
É igual a ventania louca
Que entre muitas e poucas
Tem o resumo bagual
Veio da banda oriental
E se perdeu “de boca em boca”

Uma milonga das buenas
Lembra noites de garoa
Que ao despacito encordoa
Caindo mansa e serena
Uma milonga das buenas
Me dá força pra que eu cante
E esta pampa se levante
Sobre o lombo da guitarra
Enforquilhada nas garras
Levando tudo por diante

Uma milonga das buenas
Fala em junco e agua-pé
Em ranchos de santa-fé
Por isso que vale a pena
Uma milonga das buenas
Bem cantada se governa
Chega e boleia a perna
Em qualquer galpão de estância
Pois anda a encurtar distância
E o tempo a dentro se inverna

Uma milonga das buenas
Tem que ter alma de potro
E o sarandeio maroto
Do corpo de uma morena
Uma milonga das buenas
Me traz recuerdos de amores
Perdidos nos corredores
Extraviados nas taperas
Quando a china se entrevera
Num duelo de “payadores”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s