A Linha da Minha Mão – André Teixeira


32º Ponche Verde da Canção Gaúcha – Dom Pedrito – RS – 2017.

A LINHA DA MINHA MÃO

Letra: Sergio Carvalho Pereira
Melodia: André Teixeira
Intérprete: André Teixeira

Aqui no povo, faz anos,
Na beira do rancherio,
Sobre um potreiro vazio
Se armou um toldo de ciganos.

Eu, rapazote aragano,
Sem plata e sem bendição,
Estendi a minha mão
Pra sorte me fazer planos.

Depois me fui pra campanha,
Onde meu pai era peão
E estendi a mesma mão
Pro arreio que me acompanha.

Queimei o couro da palma
A pealos sem tirador.
Engrossei a pele d’alma
Nos cabos de arreador.

Perdi o desenho de volta
Nas voltas do maneador
E o “M” da mão canhota
Tironeando sentador.

Curei das mãos as feridas
Nos barros do corredor.
Borrei a linha da vida
Com tinta de sangrador.

Tirei moirão pra alambrado,
Ferrei roda de carreta,
Senti o coice do arado
E o coice de algum sotreta.

Diz que a vida na campanha
Parece cruzar mais lenta,
Mas até moirão de angico
Um dia o tempo arrebenta.

Peguei na mão do meu pai,
Quando meu velho partiu.
Vi um caminho apagando
Como secura de rio.

A espinho, barro e farpado,
Linha da vida sumiu,
Como é fácil ler a sorte
De um guri do rancherio!

Ela pegou na minha mão,
Disse: Campeiro! …E sorriu.
Cigana pegou as moedas,
Disse: Campeiro! …E sumiu.

Depois me fui pra campanha,
Onde meu pai era peão
E estendi a mesma mão
Pro arreio que me acompanha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s