Viramundo – Marcelo Oliveira


4ª Galponeira de Bagé – Bagé – RS – 2007.
Prêmio de Melhor Intérprete para o Marcelo Oliveira.

VIRAMUNDO

Letra: Evair Gomez
Música: Juliano Gomes
Intérprete: Marcelo Oliveira

A tarde escondia a cara
Sobre o meio de um agosto
A noite estendendo o braço
Me alcançava seu poncho

Os últimos paus de astilha
Retovavam junto ao fogo
Soltando branca fumaça
Quando ali alcei o vôo

Assim me fui viramundo
Tentando campear a estrêla
Que bem aqui junto a mim
Já me bastava em vê-la

Mas “cuê-pucha” é a vida
Pra manguear o pão parceiro
Quando se é gaúcho pobre
Em qualquer lado é matreiro

E recostando as espaldas
Que apoiei sobre o lombillo
Sigo aqui tal quanto fui
Sem um cavalo de tiro

Quebrei queixos de cavalo
Que dava gosto de vê-los
Mas não tive por tropilha
Tanto mais que um só pêlo

Viramundo, viramundo
Pois de fato assim sou eu
Mas tive sempre o pão nosso
Pra que mais pedir a Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s