Empurrando Tropa – Joca Martins


18º Ponche Verde da Canção Gaúcha – Dom Pedrito – RS – 2003.

EMPURRANDO TROPA

Letra: Anomar Danúbio Vieira
Música: Marcello Caminha
Intérprete: Joca Martins

A tropa grande, marca de “S”, do Eduardo Soares
– Índo buenacho, cria dos Guerra, lá de Santana.
Há três ontonte saiu do Carcáveo, batendo água
E eu vou na estrada, ressabiando ‘as mágoa’ num florão de zaina.

Moreno Augusto, não facilita na volta do passo,
Mete o picasso e afina a ponta ‘dessas vaquilhona’,
Ajuda o Kiko a fazer um fiador no que termina o mato,
Já que o Mulato vem costeando o beiço de uma redomona.

Trezentas novilhas de pêlo fino, tudo sobreano,
Que todos os anos vão pra recria lá na Guabijú.
É pra entregar pra o seu João Barbosa sem faltar nenhuma,
Gado bem cruzado – de raça ‘das buena’ –
Em pampa e poliango, sangue de zebu.

Já faz muito tempo que eu ando, na lida, empurrando tropa,
Levando na estampa um resto de pampa que ainda não se foi.
E dentro d’alma, muitas rondas calmas com cheiro de pasto,
Cortando distância, seguindo o rastro…
De um futuro incerto e de casco de boi.

Eu vou na frente pra achar boa aguada e “pendurá” um consumo,
O horizonte é o rumo da sina estradeira, e sempre que se pode
Se desencilha numa sombra grande, num jeitão gaúcho,
Pra se “dá” o luxo de, vez por outra, “engraxá os bigode”.

O tempo arisco já vem mermando na tarca dos dias
E a gadaria berrando triste, cansada da estrada…
Mas menos mal que amanhã de tarde “entregamo” a tropa
E, num trote chasqueiro, “larguemo” de volta,
“Loco” de saudade da mulher amada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s