Marca de Fogo – Juliano Moreno e Daniel Cavalheiro


33ª Coxilha Nativista – Cruz Alta – RS – 2013.

MARCA DE FOGO

Letra: Gujo Teixeira
Musica: Zulmar Benitez
Intérprete: Juliano Moreno e Daniel Cavalheiro

No largo de um corredor,
Entre o arame e a estrada…
A marca de um fogo grande
Deixou sinal da cruzada.
Quem sabe uma tropa grande
Fez pouso, junto à boieira,
E um fogo clareou o campo,
Luzindo pra noite inteira.

É coivara em campo sujo
Que não seguiu mais adiante…
Quem sabe o rastro de um raio
Que se soltou num rompante,
Na noite é um rastro de lua
E estrelas presas no chão…
Onde a terra teve brasas,
Restou só cinza e carvão.

Mas ninguém viu cruzar tropas,
Nem campeiros em retorno…
Só a terra tinha as marcas
Pelo seu corpo ainda morno.
Quem cruzou, fez fogo grande,
Tinha lenha pra queimar
Ou então por muitos olhos
Deixou rastro à um boitatá.

Foi algum fogão tropeiro
Com alma de curunilha
E queimou cestro e silêncio
Na noite escura, em vigília.
Mas logo adiante um peleguito
Nos indagava outro rumo,
Quem cruzou, carneou ligeiro
Uma velha pra consumo…

Quem sabe algum cruzador
Fez meia noite na estrada…
E fez fogo pra um assado,
De alguma “oveia” roubada.
Mas quem sabe era um munício
Que a tropa levava junto,
Só que agora são dois fatos
Dentro de um único assunto.

E o campo foi testemunha
Da cena que a noite viu,
Só depois das recorridas
Vai saber-se o que sumiu…
Ficou o rastro de alguém
Que cruzou beirando a estrada,
Um pelego mais adiante,
E a flor do campo queimada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s