Sangue Serrano – Lincon Ramos


28º Ronco do Bugio – São Francisco de Paula – RS – 2019.
Composição premiada com o Segundo Lugar.

SANGUE SERRANO

Letra: Jairo Reis
Melodia: Lincon Ramos
Intérprete: Lincon Ramos

Este meu sangue serrano
Espesso e rubro caudal
Minha riqueza ancestral
Herança de um provinciano.
Cruza de negro e açoriano,
Arranchado na cidade,
Chimarroneio a saudade
Do meu pago e da minha gente…
Sou fruto de uma semente
Plantada na mocidade.

Terra coberta de geada,
A cerração e o minuano
Contrastam com o calor
Deste meu sangue serrano.

Este meu sangue serrano
Aos pouquitos se inflama,
E de vereda me chama
Pra’o meu labor cotidiano.
Neste meu peito aragano,
Cinchado pela emoção,
Pulsa forte o coração
Toda a vez que eu relembro
Uma manhã de setembro
Vestida de cerração.

Terra coberta de geada,
A cerração e o minuano…

Este meu sangue serrano
Me acorda ao alvorecer
E não me deixa esquecer
O meu cerne campechano.
Neste andejar de paisano
Entre povoados e aldeias
Fui forjado em mil peleias
Que golpearam minha alma
E o meu sangue só se acalma
Quando a saudade escasseia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s