Pasto Nativo – Joca Martins


3ª Bicuíra da Canção Nativa – Rio Grande – RS – 2007.
Composição premiada com o Segundo Lugar.

PASTO NATIVO

Letra: Rodrigo Bauer
Música: Joca Martins
Intérprete: Joca Martins

A evolução é a queimada
Que vem varrendo as lonjuras
E essa ilusão importada
Devora nossa cultura
Em mim o pago está vivo
É assim a regra do jogo
Sou feito pasto nativo
Que volta depois do fogo

Vão ressecando as paisagens
Nessa querência de outrora
Vem prolongada a estiagem
Nos ventos que vem de fora
Vou agüentando instintivo
Na sombra da timbaúva
Sou feito pasto nativo
Que volta depois da chuva

Por tudo isso sustento
Meus ideais, minha raça
Não sigo ao sabor do vento
Com qualquer tempo que faça
Tal um pássaro cativo
Que voa e volta pro lar
Sou feito pasto nativo
Que sempre há de retornar

Embora o frio e a geada
Que chegam a cada inverno
Me vou por essas canhadas
Teimando em seguir eterno
No meu fogão primitivo
Do rancho quase tapera
Sou feito pasto nativo
Que brota na primavera

Vão ressecando as paisagens
Nesta querência de outrora
Vem prolongada a estiagem
Nos ventos que vem de fora
Vou agüentando instintivo
Na sombra da timbaúva
Sou feito pasto nativo
Que volta depois da chuva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s