Embaixo dos Bastos – Jairo Lambari Fernandes


11º Ponche Verde da Canção Gaúcha – Dom Pedrito – RS – 1996.

EMBAIXO DOS BASTOS

Letra: José Carlos Batista de Deus
Música: Jairo Lambari Fernandes
Intérprete: Jairo Lambari Fernandes

Até parece um retrato tirado em dia de festa…
Chapéu clareando na testa cada vez que me enforquilho
Num dos crioulos que encilho pra me tornar soberano,
Frente ao destino cigano que passa de pai pra filho.

Feito uma estrela cadente que alumbra algum descampado
– Meu baio, de cacho atado, atira o freio por graça;
Honrando o garbo da raça que a própria história carrega
E pisa sobre as macegas igual se andasse na praça.

Quando trago uma rosilha, serena, embaixo dos bastos,
Remendo os caminhos gastos, me boleando desse altar!
Hay yerba para matear; um galpão pras guitarreadas;
Um verso nas madrugadas e um grilo pra me escutar.

Se meus bastos não têm velas pra navegar nos varzedos,
Sei que me basta o segredo de apertar cincha e bocal
E me agrandar no recau de um mouro que há tresontonte
Cismou ser mais que o horizonte, bebendo a estrada real.

Um gateado – flor de estampa – pra pontear uma tropa bruta
Ou sair em reculuta sem ter pressa de volver;
Quem faz a vida escorrer na cadência de um bom pingo,
Traz um olhar de domingo pra cada sol que nascer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s