A Flor da Solidão – Roberto Luzardo


12º Terra e Cor da Canção Nativa – Pedro Osório – RS – 2000.

A FLOR DA SOLIDÃO

Letra: Xirú Antunes
Música: Fabrício Harden
Intérprete: Roberto Luzardo

Faz dois invernos que não te vejo, chinita…
Morena linda que traz noites nos cabelos;
Mulher menina com pitangas pelos lábios
E um cheiro agreste de jasmim e maçanilha.

Lembro promessas na beira de um rio andejo,
Colhendo beijos pelas tardes veraneiras;
Teus olhos verdes qual o musgo das cacimbas
Maneavam ânsias do meu jeito estradeiro.

Faz dois invernos que eu aqueço a solidão
E jujo um mate com “marcela” das canhadas;
Pois tens o nome desta florzita outoneira,
Talvez, por isso, retornes antes da geada…

Foste num sestro de noiteira sesmaria…
Com crinas baias de luar por sobre a quincha;
E os quero-queros sem alardes na garganta
Pontearam notas de silêncio e romaria.

O imprevisto que atropela em retiradas
É um menino a rondar sempre a porteira;
Vai tironeando o coração emudecido
Na esperança de rever sua parceira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s