Campeiros – Marcio Nunes Corrêa


7º Chamamento da Arte Nativa – Santana da Boa Vista – 1999.*

CAMPEIROS

Letra: Xirú Antunes
Música: Fernando Mendes
Intérprete: Marcio Nunes Corrêa

Madrugada põe na forma
Estes fletes redomões,
Faz tapera da morada
Dos arreios nos galpões.

A noite chora sereno,
Transformando em cerração,
Negros vultos são os homens
Recorrendo este rincão.

Campeiros trazem no sangue
A sina de camperear,
São mangrulhos pajadores,
Mesclas de sol e luar.

Abrem o peito na invernada,
Soltando suas canções,
Se arrancham em poncho quente,
No alicerce dos garrões.

Deixaram tições pra trás,
Dormindo na cinza quente,
E um mate madrugador
Lavando a alma da gente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s