O Canto do Carreteiro – Jean Carlo Kirchoff


9ª Estância da Canção Gaúcha – São Gabriel – RS – 2001.

O CANTO DO CARRETEIRO

Letra: Miro Saldanha
Música: Miro Saldanha
Intérprete: Jean Carlo Kirchoff

Sonolento fim de tarde
De um retalho de verão;
Cascos que vieram de longe,
Martelando sobre o chão;
Pés descalços na poeira,
Marcas de calo na mão;
Lábios que juntam, sem pressa,
Fragmentos de canção:

Vai carreta, vai!
Rodando, vai
Que o tempo é patrão.
Em cada roda que gira
Corta tiras deste chão!
Vai boiada, vai!
Que há bocas que choram
Com fome de grão;
E da terra que o boi amassa
Vem a massa do meu pão.
E da terra que o boi amassa
Vem a massa do meu pão.

À noite, vem a saudade
Se chegar, branda e faceira;
Cantando frases perdidas
Da toada carreteira;
As mãos, num gesto de fada,
Torcendo vestes caseiras,
Penduram trapos de sonhos
Nos arames da porteira!

Ainda a última brasa
Teima em ficar acordada
Queimando um resto de vida
Na fogueira já cansada,
Lá se vai o carreteiro,
Deixando, atrás, a toada
Escrita em letras de poeira
Pelos cascos da boiada!

Vai…! Vai…!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s