Quando o Aço da Tesoura Perdeu o Fio Pra Tosquia – Gustavo Teixeira


18ª Comparsa da Canção Gaúcha – Pinheiro Machado – RS – 2004.
Composição premiada com o Terceiro Lugar e Melhor Tema Sobre a Ovelha.

QUANDO O AÇO DA TESOURA PERDEU O FIO PRA TOSQUIA

Letra: Gujo Teixeira
Música: Cristian Camargo
Intérprete: Gustavo Teixeira

Quando o aço da tesoura
perdeu o fio pra tosquia
a força de templa e fogo
deram-lhe outra serventia.
Uma faca de bom corte
cabo de osso e madeira
arte de cerno e de bronze
feitio do Cláudio Ferreira.

A velha tesoura inglesa
de tosquiar velo em dezembro
já cortava nas comparsas
bem antes de mim, me lembro!
Coroa, só numa folha
mola que firma e não vira
vai durar mais um cem anos
num cabo de guajuvira.

Quantas vezes matraqueira
falava da vida alheia
nos beliscão das esquila
nas rugas de alguma “oveia”.
Outras “vez”, em prosa mansa
contava de algum floreio
botando toso em quilina
da cavalhada do arreio.

Foi das esquila a martelo
por conta do estancieiro
cruzando de mil ovelhas
pra se entregar em janeiro.
Não teve mais serventia
quando a comparsa partiu…
Foi de botar uns cem velos
sem nunca perder o fio.

Agora vai na cintura
e por afiada se guia
retovada de bainha
prenunciando uma sangria.
Pois ainda vai achar-se
nas mãos dum esquilador
com uma ovelha pra consumo
na sombra de um carneador.

Quando o aço da tesoura
perdeu o fio pra tosquia
virou faca de respeito
pra corte, talho e sangria!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s