Versos de Taita – Xirú Pereira e Grupo Parceria


6º Ronco do Bugio – São Francisco de Paula – RS – 1991

VESROS DE TAITA

Letra: Xirú Pereira
Música: Manoel Cassiano
Intérpretes: Xirú Pereira e Grupo Parceria

Abre a gaita, seu gaiteiro!
Nesse inverno muito frio!…
Vamos ver como é o compasso
Dessa dança que é o bugio!

Tem muita gente que fala
Que esse bicho, aqui, existiu
E o povo não se dá conta
Que o bichinho assustado sumiu!

Mas deixou no seu pulo arteiro
Um estilo pra um verso de taita,
Onde o qüera – altivo e faceiro –
Repontou para o fóle da gaita!

É pra um lado, é pra outro, parceiro!
Gire a prenda e se bamo, de novo!
Essa dança, de fato, é serrana,
É o compasso no passo do povo!

Esse bicho fugiu, foi de medo,
Pois sentiu algo à sua extinção!
Se embretou no que resta de mata,
Escapando da tal poluição!

Tá na hora do homem do pampa
Replantar o que já destruiu!…
Pra que volte o cheiro do pago
E nos traga, de volta, o bugio!

Me baseei no tal bicho bugio
Pra cantar essa dança baguala…
De-lhe gaita, gaiteiro faceiro!
Que no fóle é o compasso da sala!

Vamo à sala o peão e a prenda,
Dançar de ficar meio torto!
E amanhã vamos plantar o pinho
– Que sem mato o Rio Grande está morto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s