A Fábula dos Peixes – Cristiano Quevedo


7º Aparte da Qurência do Bugio – São Francisco de Assis – RS – 1999.
Composição que conquistou os prêmios de Primeiro Lugar e Melhor Letra.

A FÁBULA DOS PEIXES

Letra: Vasco Velleda
Música: Cristiano Quevedo
Intérprete: Cristiano Quevedo

A pá desenhou o valo e a água fugiu de casa
arrastou-se campo afora voando na sanga rasa
os lambaris viajaram sem levar nada nas malas
e as traíras que ficaram lamentaram que sobraram
lamentaram que sobraram

O açude virara lodo juntos deitados risadas
de homens pescando com as mãos e do banquete das garças
não mais veriam nas tardes o boi a matar a sede
não mais teriam as cantigas da lavadeira inocente
lavadeira inocente

Não mais veriam a lua que às estrelas perguntava
de que forma era mais bela mirando o espelho das águas
Não mais veriam a lua que às estrelas perguntava
de que forma era mais bela mirando o espelho das águas

E nunca mais sesteariam adivinhando seus filhos
morrer o mundo que havia, seria aquilo um castigo
e a natureza chorou como nunca havia chorado
chorou em forma de chuva, bateu boca nos mandados
bateu boca nos mandados

E os homens tiveram medo pois todo homem é um coitado
e se encolheram rezando n’alguns abrigos de mato
e os pequenos inocentes, do açude desapropriados
foram na água da chuva, num galope apavorado
num galope apavorado

Cair nas águas de um rio pra serem desajustados
vivendo em águas revoltas, filhos do açude arrombado
Cair nas águas de um rio pra serem desajustados
vivendo em águas revoltas, filhos do açude arrombado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s