A Mesma Mirada – Lisandro Amaral


18º Acampamento da Canção Gaúcha – Campo Bom – RS – 2020.

A MESMA MIRADA

Letra: Lisandro Amaral
Melodia: Gulherme Collares
Intérprete: Lisandro Amaral

Chegara ao trote da tarde, como um orgulho a existência sobre a luz de um redomão.
Bolicho de encruzilhada, domingo de carreirada e o Nelso, o próprio rincão.

Ameaçava um chuvisco e o seu lobuno um corisco, não repetia a pisada…
Guardando o olhos dos xucros se resvalava dos cusco e o Nelso a mesma mirada.

O quanto existe entre a cena de ver revolta melena dos vagos homens do mundo?
Pra que na sombra da sombra, um andarilho “nombra” mais que um mistério fecundo.

Na copa inda seca do angico acalmou o redomão:
“pssssiiiiiiiii caálo” foi resvalando despasso deixando o poncho no abraço pra não molhar o sustento

Pego o sombrero na gola e um maneião sem argola já vinha junto do pulso pra garantir que não solta.
Froxou a boca e um carinho foi cochichando baixinho sem prometer quando volta…

Nelso é o motivo do gole,
e quando a tarde abre o fole,
mesmo que esteja nublada,
a sede manda que beba
e a lua então que receba
o fogo azul da alvorada.

O tirador e a chorona
reconhecido na zona
faziam voz de chegada…
um tinha som dos bochincho
o outro rufo dos guincho
e marcas de embuçaladas…

Carteado, osso de três pencas… pastel, cigarros e encrencas – bem resolvidas ou não –
Assombra o final da hora e o Nelso arrastando a espora cambaleava ao redomão.

Dois tigres num mesmo idioma… um menestrel sem diploma o outro couro fumaça
Lobuno olha e recebe, como a entender por que bebem no funeral de uma raça…

Nelso resmunga um carinho, ata o bocal e de mansinho, desaba o corpo de novo.
Lobuno olha e aceita como a entender a receita que então derruba e não mata.

Nelso não perde o cabresto, de joelho ri do infesto e desmaneia das pata.

Feito um portal de esperança, agarra o chapéu na gola e apreilha a maneia,
Mergulha então estrivado pra retornar ao reinado do seu bastito cantor.

Ameaçava um chuvisco e o seu lobuno um corisco, não repetia a pisada…
Guardando o olho dos xucros se resvalava dos cusco e o Nelso a mesma mirada.

Guardando o olho dos xucro se resvalava dos cusco e o Nelso:
O Nelso outra jornada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s