Bailes do Boqueirão – Luiz Marenco


9ª Reculuta da Canção Crioula – Guaíba – RS – 1992.

BAILES DO BOQUEIRÃO

Letra: Jayme Caetano Braun
Música: Luiz Marenco
Intérprete: Luiz Marenco

Nos bailes do Boqueirão…
Sem espora ninguém dança
e toda e qualquer lambança
se decide no facão!
Nos bailes do Boqueirão…
Candeeiro de querosena;
gateada, ruiva e morena,
a gente amansa a tirão!

Nos bailes do Boqueirão…
Com cordeona de oito baixo;
A fêmea é que agarra o macho
e é proibido carão!
Nos bailes do Boqueirão…
Não tem de “mamãe não gosta”…
Depois que a chirua encosta,
só que aparte com facão!

Nos bailes do Boqueirão…
Nunca se muda de rima;
o mais fraco vai por cima
e o mais forte anda no chão!
Nos bailes do Boqueirão…
Ninguém é dono de china
e o causo sempre termina
num “sururu” de facão!

Nos bailes do Boqueirão…
Quando o candeeiro termina,
apenas o olhar da china
serve de iluminação!
Nos bailes do Boqueirão…
Sempre que dá um tempo feio,
O taio de palmo e meio
é menor que um beliscão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s