Figueira – Matheus Leal e Ita Cunha


17ª Vigília do Canto Gaúcho – Cachoeira do Sul – RS – 2006.

FIGUEIRA

Letra: André Oliveira
Música: Matheus Leal
Intérpretes: Matheus Leal e Ita Cunha

Parador da junta mansa
Que descansava do arado,
Onde aportava a carreta
Com o chacho ancorado.
Pouso pras aves em bando,
Hoje também vem minguando
Por esses campos lavrados.

Regada a sangue de chibo
Na sangria das degolas…
Testemunhou o passado
Das escramuças de outrora.
Guardando antigos segredos,
Segue sombreando o varzedo
Bebendo apojos de aurora.

Por isso, velha figueira,
Quando passo passo por aqui,
Eu me torço nos arreios
Olhando firme pra ti!
Com o coração corcoveando,
Parece até se olvidando
Do lugar onde eu nasci.

De marca crioula a querência
Nas ruínas da tapera,
Velhas raízes cravadas
Faz florecerem quimeras.
Germinando as mesmas ânsias,
Porque embora na distância,
Nascemos na mesma terra.

Foi palanque para os pingos
Que esperavam encilhados
As esporas se abraçarem
Num contraforte surrado.
E ao volver da campereada,
Deixava em ti minha gateada
Secando o lombo suado…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s