Um Gaúcho Pega a Estrada – Marco Aurélio Vasconcellos


16ª Reculuta da Canção Crioula – Guaíba – RS – 2001.

UM GAÚCHO PEGA A ESTRADA

Letra: Gujo Teixeira
Música: Mauro Moraes
Intérprete: Marco Aurélio Vasconcellos

O patrão, ontem, vendeu a velha estância
E os sonhos que eram meus, foram também.
Léguas e léguas de silêncios e de campo
Que eu, há tempos, conhecia muito bem…

Cavalos mansos, gado bueno e as ovelhas,
Campo e mio-mio, várzea e açude, tudo enfim…
E tudo aquilo que era a vida que eu não tive,
Mas era parte essencial por ser de mim!

Um arreio já surrado, a velha gaita,
Poncho nos ombros e um chapéu…
Um jeito de quem tá indo, sem ter data pra voltar,
Sem saber que pra sonhar não adianta olhar pro céu!

Vai uma saudade e mais nada,
Uma esperança emalada,
Quando um gaúcho pega a estrada!

Os apartes de mangueira e minhas tropeadas,
E os setembros que floriram as maçanilhas;
O galpão das desencilhas e dos meus mates,
E a tapera que era parte da coxilha…

O patrão vendeu a estância como era…
Com um cadeado na porteira da entrada;
E os meus sonhos pelo meio e dor pra sempre
Que largou, junto, de tiro pela estrada!

Uma mala de garupa, ‘uns pila’ curto,
Uma baia e um gateado no buçal;
Um jeito de quem tá indo sem saber pra onde ir,
Sem entender que partir também faz parte da vida.

Uma ideia sobre “Um Gaúcho Pega a Estrada – Marco Aurélio Vasconcellos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s