Um Galope na Várzea Larga – Cristiano Quevedo e Gustavo Teixeira


10ª Vigília do Canto Gaúcho – Cachoeira do Sul – RS – 1999.

UM GALOPE NA VÁRZEA LARGA

Letra: Gujo Teixeira
Música: Gustavo Teixeira
Intérpretes: Cristiano Quevedo e Gustavo Teixeira

A imensidão da campanha é um retrato
num fim de tarde, nestas bandas do Rio Grande.
Meu zaino negro, num compasso, atira o freio,
marca um floreio que, pela várzea, se expande.

Chega de longe a solidão proseando o vento;
no voo manso de uma garça boiadeira
que tão solita quanto eu, por certo, sabe
que eu tenho asas no meu pala, por bandeira.

Como é pesada a solidão, cá nestes campos,
e o coração é quem carrega esta carga.
Da imensidão, a liberdade pede vaza
e ganha assas galopando a várzea larga.

Quebra o silêncio no compasso do galope,
reculutando o pensamento mais disperso;
e o pataleio do meu zaino, várzea afora,
canta na espora o contraponto pra o meu verso.

Nem mesmo a sanga que lá adiante serpenteia
nem o alambrado que divide os arrozais,
vão enciumar a liberdade de um galope
que por solito traz a ânsia dos baguais.

E assim sigo bombeando o horizonte
no fim de tarde mais bonito da estância;
a mesma garça ensaia um voo e se despede,
leva minha alma junto dela na distância.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s