Vassoura de Guanxuma – Luiz Marenco


10ª Seara da Canção Gaúcha – Carazinho – RS – 1990.

VASSOURA DE GUANXUMA

Letra: Jayme Caetano Braun
Melodia: Luiz Marenco
Intérprete: Luiz Marenco

Esta mania de varrer meio tapeado,
Me vêm ‘dos tempo’ da vassoura de guanxuma;
Quando peonava no Rincão do Gado Alçado,
Marca saudade que maneio uma por uma!

Estância grande, da potrada caborteira
Que corcoveava no ‘sentá’, prendendo o berro!
De noite e dia o trasfogueiro de pau-ferro
Guardando a chama da vivência galponeira.

Cancha dos tauras mal varrida e mal aguada
Na sacristia memorial da raça antiga;
Cupim batido ‘das caseira’ de formiga
Com risco fundo de chilena enferrujada.

Mal repontados de misturas com graveto,
Ciscos de crinas de pêlos e cavaco;
Graxa queimada na cinza dos buracos
Entre ‘as clavada das marca’ dos espetos.

Andei caminhos, porque andar mal acostuma,
Tenteando rumo pra enfrentar um tempo novo;
E me dei conta que na alma do meu povo
Ficaram riscos da vassoura de guanxuma!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s