Mudaram as Tropilhas e os Homens de Agora – Alex Har


34º Ponche Verde da Canção Gaúcha – Dom Pedrito – RS – 2019.
Composição premiada com o Segundo Lugar.

MUDARAM AS TROPILHAS E OS HOMENS DE AGORA

Letra: Matheus Costa
Melodia: Geovani Silveira
Intérprete: Alex Har

Mudaram tropilhas. E os homens de agora
deixaram esporas nos ganchos do tempo;
Mataram a sede nas sangas compridas
…cuidaram a vida cruzar, como o vento.

A poeira dos rastros, nas voltas de estrada,
ficara velada num rumo vazio.
Há cascos rachados sem peso na terra…
…e a tropa não berra por dias a fio.

Os homens de agora emalaram ponchos…
…tombaram sombreiros, juraram ser tarde;
De marcha batida, minguando um retorno
por não serem donos das próprias verdades.

Os potros de agora – andantes das horas –
pastejam demoras, na soga da espera.
Na muda da vida: saudade e distância
Na voz das estâncias: silêncio e tapera.

Adaga amolada na pedra do ego…
…tão logo, o fio cego pra os males da alma.
As rédeas sem tino, de trança judiada…
…são cruzes pesadas ao couro das palmas.

Os olhos resguardam amargos e dores.
Pelos corredores, há mais do que pó.
O homem de agora, tomba e não se ergue…
…porque não consegue jamais ser um só.

Mudaram tropilhas. E os homens de agora
se vão – campo à fora – de atrás do caminho
da ilusão perdida que assim os conduz
à – pobres de luz – findarem sozinhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: