Tango do Bochincheiro – Rogério Melo


19º Ponche Verde da Canção Gaúcha – Dom Pedrito – RS – 2004.*

TANGO DO BOCHINCHEIRO

Letra: Anomar Danúbio Vieira
Música: Rogério Melo
Intérprete: Rogério Melo

Na noite grande gaguejava um bandoneon
Vim no rastro deste som, pra bailá de cola atada.
No rancho velho barreado, tava fervendo o surungo
E eu atei o meu matungo bem debaixo da ramada.

Na porta tinha uma “parda” metida a facão sem cabo
E um “negro brabo”, com fama de “revolveiro”.
Do tipo que numa rusga bota fogo pelas venta
Quem não agüenta não se meta a “bochincheiro”.

Mas acredito no santo que me protege
Não sou herege, confio em mim e nos meus
E numa adaga, bicuda, cabo de prata
Que se não mata encomenda a alma pra Deus.

Me toca um tango, paysano, me toca um tango
Ou vai no mango ou vai no grito de “ala-pucha”,
Me toca um tango, pra “mode” dançá cortado
Que um bochincho no meu pago é festa de gente gaúcha.

Tirei a filha mais nova de um tal de “Acácio”
Saí firme no tangaço, apertando a “tianga” do meio
E o “negro brabo” não gostou do desaforo
Me atropelô, feito um touro, e o tempo se parou feio.

Detesto macho ciumento que por china se descamba
Já tinha metido uns “samba” que deixei lá nas macega,
Foi bem assim de vereda, fedeu à “água de bucho”
Porque um gaúcho morre seco e não se entrega.

Pala num braço e na outra mão minha adaga
Por nada estraga esta reunião de caranchos
Que tastaveando na escuridão se pechavam
Enquanto me procuravam eu botei fogo no rancho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: