Da Boca Pra Fora – Luiz Marenco


12º Grito do Nativismo – Jaguari – RS – 1998.

DA BOCA PRA FORA

Letra: Gujo Teixeira
Música: Luiz Marenco
Intérprete: Luiz Marenco

Quando a palavra precisa da boca pra ganhar asas,
Tem sempre um beijo guardado pra esconder o que ela traz;
Tem sempre um lindo sorriso que sabe estancar a dor…
Porque a saudade faz parte da alma de um sonhador.

Cuidamos uma palavra pras horas que se precisa
Quando a voz tem sua vontade e por si se realiza…
E pode, por mal falada, ter sua garra afiada,
Deixando a vida marcada se o corte não cicatriza.

Tem vezes que a gente chora por coisas que nos habitam,
Que ficam dentro da alma olhando a vida de longe;
Tem vezes que o sal dos olhos deixa a tristeza correr…
Mas as lágrimas são minhas e de quem as merecer.

Quando a palavra incomoda, talvez, por ficar tão presa
E se acostuma ao silêncio que, volta e meia, impera;
Os olhos voltam pra si, o sorriso desencanta…
Pela voz que a alma trouxe e morreu junto à garganta.

Talvez por serem de tantos e tantas vezes falada,
A palavra traz a sina de, às vezes, não dizer nada;
Mas, quando menos se espera, fala à sua vontade
Deixando dentro da boca um gosto ruim de saudade.

Tem vezes que a gente chora!
Mas da boca pra fora…
…não fala nada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: