Sacrificado – Marcelo Oliveira


16ª Sapecada da Canção Nativa – Lages – SC – 2008.

SACRIFICADO

Letra: Otávio Severo
Música: Marcelo Oliveira
Intérprete: Marcelo Oliveira

Gastei lonjuras nas cruzes de um mouro amigo
Sede de vento por ser andejo ao meu lado
Sei das estradas margens de pedra e espinho
Andei sozinho assim me vi sacrificado

Fui lua e tropa, constância dos corredores
Caminho largo pra quem se faz exilado
Sei do destino frente à luz da liberdade
Quando a saudade assim me viu sacrificado

Quem sabe o verso que nasceu da nostalgia
Que andou no mouro caminhante sonho e luz
Seja minha’lma que teimou em ser do campo
E assim cravada sacrificou-se na cruz

Por certo a lua verso claro que fui antes
Anoitecendo se perdeu na escuridão
Deixou de vir apaixonar-se num sorriso
Entre meus braços no colo do coração

Depois que fui caminho largo feito tropa
E andei sozinho sacrificando-me assim
Vim descobrir o porquê do meu verso triste
Que andou cismado e aos poucos disse pra mim

Pois há no verso a razão maior de sorrir
Há no sorriso a razão maior de sonhar
Floresce o campo como o sonho em sacrifício
É minha alma me pedindo pra voltar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: